15 piscinas para inspirar o seu verão

Selecionamos projetos diversos que cabem nos pequenos e nos grandes espaços

Nada como um mergulho na piscina para aplacar o calor na estação mais quente do ano! Pensando nisso, reunimos mais de uma dezena de projetos com diferentes dimensões e visuais exclusivos, promessas de bons momentos dentro d’água. Confira essas propostas a seguir.

O jardim vertical de 7 x 12 m compensa o verde retirado na construção da piscina, revestida de pastilhas cerâmicas (Atlas). (Divulgação/Martín Gurfein)

 

Uma raia de 25 m de comprimento (com 2,20 m de largura e 1,20 m de profundidade) e um longo deck se estendem à frente das quatro casas vizinhas de condomínio. O mar se impõe, porém a piscina de 4 x 4 m (1,05 m de profundidade) figura como um coadjuvante e tanto. Internamente ela recebeu pastilhas no tom Verde Bermudas (Cerâmica Atlas), que fazem bela parceria com a pedra-madeira bruta do acabamento externo e com o deck de cumaru.  (Divulgação/Alain Brugier)

O vidro incolor permite enxergar não só o mar além como o muro verde (Neo- Rex) da lateral. A piscina, com borda infinita, ganhou pastilhas brancas (Jatobá), para suas águas refletirem fielmente a cor do céu. O projeto com a grife do Studio Arthur Casas já foi capa de A&C. Confira-o nesta reportagem.  (Divulgação/Alain Brugier)

 

Antes da reforma, planejada pelas arquitetas Maristela Faccioli e Regina Junqueira em São Paulo, uma piscina maior ocupava boa parte da área externa. “Nossa intenção foi diminuí-la para obter um respiro no jardim”, detalha Maristela. Por meio de paredes de alvenaria erguidas dentro do tanque antigo, surgiu o novo modelo, de 16 m2, com acabamento de pastilhas cerâmicas (Colormix, ref. C15).  (Divulgação/Alexandre Battibugli)

 

Na área externa projetada pelo paisagista Ricardo Pessuto, o exemplar de fibra de vidro (iGUi) revestido de pastilhas de porcelana (Cerâmica Atlas) ficou pronto em três dias. (Divulgação/Claudio Sartor)

 

Assinado pela paisagista Gabriella Ornaghi, o projeto apostou nas pastilhas cerâmicas (5 x 5 cm, cor verde- antilhas, da Jatobá) para a área molhada e no granito apicoado para a borda. Na lateral sinuosa, uma prainha – a parte mais rasa dentro do tanque de 1,5 x 5 x 14 m – chama os banhistas a admirar a paisagem do interior paulista. (Divulgação/Gui Morelli)

 

O capricho norteou este projeto com vocação para spa. “Um sistema de aquecimento com trocador de calor possibilita o uso do espaço o ano todo”, relata a paisagista Catê Poli. Do lado de dentro, um banco contorna o berço de alvenaria (1,80 x 2,60 m e 1,30 m de profundidade) forrado de pastilhas no tom azul viscaya, da Jatobá. A borda de travertino dá apoio para os convivas que preferem não entrar na água. (Divulgação/Alexandre Battibugli)

 

Pouco sobrou da antiga piscina, que se transformou neste templo de lazer nas mãos do arquiteto André Oliva, de Salvador. Com 84 m², a nova caixa de concreto revestida de pastilhas de porcelana (Cerâmica Atlas) reúne área de convívio, prainha, spa e raia. (Divulgação/Tarso Figueira)

 

Esta piscina é uma robusta caixa de concreto armado erguida sobre o solo. Além deste trecho de raia com borda infinita, o tanque tem anexo uma prainha com hidromassagem. (Divulgação/MCA Estúdio)

 

A casa paulistana dos anos 50 mantinha-se bem com o capricho do antigo morador, um paisagista. A vantagem, no entanto, revelou-se um problema. “O jardim era lindo, mas ocupava toda a área externa sem deixar espaço para o lazer”, lembra a arquiteta Samira Rodrigues, que abraçou a reforma ao lado de Flavia Tenan. Ao derrubarem parte da construção, as profissionais abriram alas para a piscina de alvenaria (1,80 x 4 m e 1,60 m de profundidade).  (Divulgação/Alexandre Battibugli)

 

Encaixada entre os dois blocos da casa, a piscina inclui uma hidromassagem de 2 x 2 m (com sistema de aquecimento da Orbis). Leva pastilhas cerâmicas de 5 x 5 cm (Atlas, cor aruba verde) (Divulgação/MCA Estúdio)

 

A poucos passos do mar de Ubatuba, SP, este oásis imita a premissa da casa e se camufla na mata. “Aproveitamos a exuberância do local para acrescentar a piscina, dotada de hidromassagem e aquecimento. Quem estiver em busca de sol percorre mais alguns metros e alcança a praia”, resume, brincando, o paisagista Alex Hanazaki, autor da proposta.  (Divulgação/Divulgação)

 

A empresa Modpools transforma contêineres usados em piscinas. Saídos da China, os módulos marítimos são descarregados na América do Norte e reaproveitados pela fábrica canadense. (Reprodução/Dezeen)

 

Bancos e deck abrigam jardineiras. Toda essa marcenaria utiliza cumaru em réguas de 2 x 5 cm tratadas com stain incolor fosco (Hibritec). “Como a piscina não podia ser alterada a pedido dos clientes, criamos uma solução visualmente mais limpa”, explica Gabriela Setta. Um dos bancos possui dobradiças e serve como baú.  (Divulgação/MCA Estúdio)

 

Nada aqui é comum. A começar pelo tom das pastilhas de vidro (Jatobá), negras. Com isso, o arquiteto Gustavo Arbex quis reforçara impressão de profundidade do tanque, dividido em três áreas, neste projeto no interior paulista. Além da raia de 1,70 x 2,20 x 25 m, há um platô molhado para as crianças (chega a 40 cm, fica na porção atrás do pilar e tem revestimento da Castelatto) e, no primeiro plano, um trecho mais profundo (1,30 m). (Divulgação/Victor Affaro)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s