3 perguntas para o arquiteto Djamel Klouche

O profissional revela suas propostas de urbanismo para a Cidade Luz

Diretor do escritório l’AUC, Djamel Klouche e sua equipe são os mais jovens arquitetos a participar do projeto Grand Paris, iniciativa para desenvolver a região metropolitana de Paris, especialmente os subúrbios. Em suas propostas, mantém um olhar genuinamente voltado para as pessoas.

Nascido na Argélia, o arquiteto Djamel Klouche vive desde 1984 na capital francesa. (Foto: Divulgação)

De que se trata o Grand Paris?

O governo da França promoveu em 2008 um concurso internacional de arquitetura e urbanismo para a área metropolitana. Nossa equipe foi escolhida para ser uma das dez gerenciadoras de grupos multidisciplinares que vão sugerir soluções para a cidade nos próximos 40 anos. O interessante é que não apresentamos nenhum projeto, apenas ideias e questões.

Como assim?

Para mim, fazer um projeto para 20 milhões de cidadãos é algo genérico. Não estaremos olhando para as diferentes dinâmicas de cada bairro ou comunidade. Então, o que buscamos é cruzar informações, entrevistar pessoas, analisar situações similares no exterior. No mundo todo, há uma divisão entre os desejos dos governantes, dos agentes econômicos e dos habitantes. O que tentamos fazer é conectá-los. Observamos como funciona a dinâmica local e tentamos ligá-la a uma visão global.

“OS PROBLEMAS DA GRANDE PARIS SÃO OS MESMOS DESDE O SÉCULO 19: MORADIA E MOBILIDADE” 

Que soluções vocês imaginaram para os subúrbios de Paris? 

Com o Grand Paris, 200 km novos de metrô serão construídos. Isso ajudará muito na mobilidade, mas não basta. Sugerimos desenvolver uma rede de deslocamentos que envolva bicicletas e táxis coletivos. A ligação com as estações deve ser feita de forma ágil e fácil, para que as pessoas percebam-se conectadas à metrópole, que hoje sentem como exclusiva para quem tem dinheiro e mora nos melhores bairros. Outra ideia é aproveitar a infraestrutura existente nos subúrbios – indústrias abandonadas, por exemplo – e criar bairros híbridos, com universidades, casas, comércio e atrações culturais. Um local para morar, comprar, estudar,

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s