Escola no Tocantins é lição de arquitetura e sustentabilidade

Redesenhada com soluções e revestimentos de bem com o meio ambiente, o projeto de 23 mil m² acolhe 540 alunos na zona rural do estado

O desafio era dar mais qualidade de vida aos adolescentes entre 13 e 18 anos de idade de uma escola rural em regime de internato mantida pela Fundação Bradesco em Formoso do Araguaia, Tocantins.

Uma grande mesa integra a sala de estudos no mezanino das moradas. A construção toda é dividida em dois grandes blocos: um feminino e um masculino. O mobiliário leva a assinatura de Marcelo Rosenbaum e O Fetiche.

Uma grande mesa integra a sala de estudos no mezanino das moradas. A construção toda é dividida em dois grandes blocos: um feminino e um masculino. O mobiliário leva a assinatura de Marcelo Rosenbaum e O Fetiche. (Divulgação/Leonardo Finotti)

“Os jovens foram envolvidos no processo e trouxemos elementos da cultura local para ajudar a criar a relação de  pertencimento”, conta o arquiteto Gustavo Utrabo, do Aleph Zero, escritório que assina o projeto em parceria com o designer Marcelo Rosenbaum.

Na área de descanso, os equipamentos foram pensados para proporcionar uma experiência lúdica às crianças. As redes de tela de segurança montadas em módulos hexagonais metálicos sintonizam a tradição local. Todo o piso é de cimento queimado.

Na área de descanso, os equipamentos foram pensados para proporcionar uma experiência lúdica às crianças. As redes de tela de segurança montadas em módulos hexagonais metálicos sintonizam a tradição local. Todo o piso é de cimento queimado. (Divulgação/)

Por causa da distância do centro urbano e a fim de reduzir o transporte de materiais, tijolos de solo-cimento foram fabricados na obra com terra da própria fazenda e a estrutura de MLC ou madeira laminada colada (Ita Construtora) chegou pronta para a montagem.

Para proporcionar mais privacidade e aconchego, os antigos grandes alojamentos deram lugar a quartos que abrigam até seis adolescentes. Cada cama tem sua mesinha lateral com luminária de leitura, além de armários modulares individuais.

Para proporcionar mais privacidade e aconchego, os antigos grandes alojamentos deram lugar a quartos que abrigam até seis adolescentes. Cada cama tem sua mesinha lateral com luminária de leitura, além de armários modulares individuais. (Divulgação/Leonardo Finotti)

“É uma alta tecnologia com o eucalipto certificado e o resultado é leve, deixa menos resíduos e causa baixo impacto na natureza”, diz Adriana Benguela, arquiteta do estúdio de Rosenbaum.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s