Dobras e traços angulosos desenham cabana chilena

Aço e madeira ergueram este chalé de 60 m²em uma área montanhosa perto da cidade de San Esteban

Cada material escolhido para o projeto foi pensado cuidadosamente levando em conta o clima da região de cordilheiras. “Devido à grande variação de temperatura durante o dia, a madeira sofre distorções que, a longo prazo, podem trazer problemas”, explica o arquiteto chileno Gonzalo Iturriaga, autor da proposta. Para solucionar a questão, ele optou por estruturas de aço nos elementos que não admitiam deformação, o caso de pilares, esquadrias e amarras horizontais. A madeira entrou em paredes, piso e teto, além de estar presente no mobiliário e no acabamento interno, auxiliando no conforto térmico. Abrigo para um montanhista, a cabana tem layout simples: uma área central com cozinha e sala de estar, um quarto com espaço para armazenar o equipamento de escalada e um banheiro. O telhado irregular revestido de placas de pínus escurecido acompanha o traço anguloso e volumétrico da casa. Para ventilar os cômodos, aberturas foram posicionadas estrategicamente, reforçando ao mesmo tempo esse desenho com jeito de dobradura.

 

Erguida do solo, a casa serve como ponto de chegada e partida de cada trajeto definido pelo proprietário, servindo como estação de monitoramento e descanso, além de proporcionar momentos de contemplação das cordilheiras, refletidas na fachada.

Erguida do solo, a casa serve como ponto de chegada e partida de cada trajeto definido pelo proprietário, servindo como estação de monitoramento e descanso, além de proporcionar momentos de contemplação das cordilheiras, refletidas na fachada. (Federico Cairoli/Divulgação)

 

Na área social, composta de cozinha e sala de estar, os amplos painéis de vidro oferecem visão panorâmica do cenário ao redor, acompanhando as linhas do forro. As esquadrias pretas se mesclam com a fachada escura.

Na área social, composta de cozinha e sala de estar, os amplos painéis de vidro oferecem visão panorâmica do cenário ao redor, acompanhando as linhas do forro. As esquadrias pretas se mesclam com a fachada escura. (Federico Cairoli/Divulgação)

 

Madeira clara e escura delimitam os espaços. O exterior se camufla à paisagem, enquanto o interior foi projetado para transmitir aconchego e acolhimento. No centro da habitação, uma pequena lareira aquece os dias frios.

Madeira clara e escura delimitam os espaços. O exterior se camufla à paisagem, enquanto o interior foi projetado para transmitir aconchego e acolhimento. No centro da habitação, uma pequena lareira aquece os dias frios. (Federico Cairoli/Divulgação)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s