8 ideias para ocultar equipamentos e itens menos fotogênicos

Divisória de drywall, painel de cobogós, nicho de serralheria, marcenaria sob medida e outras soluções foram empregadas nestes ambientes. Inspire-se!

DIVISÓRIA DE DUAS FACES

 (Gabriel Azevedo/Divulgação)

Ao projetar este móvel, que cumpre também o papel de cabeceira, as profissionais da Casa14 Arquitetura conseguiram atender a uma das principais encomendas dos moradores: abrir espaço no quarto para um outro cômodo muito prático no dia a dia. Executada com MDF coberto com laminado melamínico branco, a marcenaria (45 cm de profundidade) inclui um nicho superútil (0,35 x 2,80 m) e não chega até o teto – essa providência libera a passagem de luz natural ao ambiente escondido no verso. O monobloco demarca o closet sem isolá-lo totalmente do dormitório, como aconteceria com uma porta ou uma parede. Na parte de trás, ele conta ainda com gavetas e cabideiro, tudo para que os o casal organize roupas e acessórios.

 

INSPIRAÇÃO : O MUXARABI

 (Mariana Orsi/Divulgação)

Pensando em resolver um problema bastante comum nos dias de hoje, o escritório MAB3, em parceria com o MMagalhães Estúdio, bolou este painel de madeira para resguardar a sala de jantar dos vizinhos sem prejudicar a entrada de claridade. Baseado no muxarabi, elemento tradicional da arquitetura árabe usado para favorecer a privacidade sem bloquear luz e ventilação, a divisória vazada (Marcenaria Beldan) reúne três folhas de correr de freijó clareado cortado a laser (2,02 x 2,34 m cada uma), que ficam abertas sempre que possível. A vista desfavorável, devido à proximidade dos prédios vizinhos, foi atenuada com as portas vazadas. Elas foram instaladas diante da fachada e deslizam por trilhos embutidos em piso e forro.

Leia também: Estante de livros é também porta pivotante

 

SEM SINAL DE FUMAÇA

 (Luis Gomes/Divulgação)

Integrada à sala, a cozinha deste apartamento reformado pelos arquitetos Alice Martins e Flávio Butti ganhou uma coifa poderosa (Cata), capaz de impedir que o cheiro de gordura e a fumaça cheguem aos ambientes contíguos. “Escolhemos um modelo de inox com alto poder de sucção, comando eletrônico, desligamento automático e luz”, explica Alice. Mas alguns cuidados foram imprescindíveis na instalação da peça a fim de preservar o visual limpo do espaço. Essencial para o bom funcionamento da coifa, o duto flexível fica encoberto pelo novo forro de gesso e segue até a janela a fim de expulsar a fumaça. Na esquadria, a prateleira de madeira parcialmente fechada do lado direito ajuda a escondê-lo.

 

ATMOSFERA DE JARDIM

 (Mariana Orsi/Divulgação)

Trazer a natureza para dentro de casa é um pedido cada vez mais recorrente. Neste apartamento, os profissionais da Oficina 11.11, em parceria com a arquiteta Ligia Kalil, cumpriram esse desejo inclusive na varanda. Acima das poltronas do canto de leitura, os vasos ficam pendurados num nicho com hastes de ferro banhado de cobre (0,40 x 0,83 x 2,50 m), que oculta parcialmente um aparelho sempre pronto para deixar o clima fresco. O ar-condicionado fica disfarçado em meio a samambaias e peperômias. “Essas espécies de meia-sombra são ótimas para áreas internas”, diz a arquiteta Nadja Bonan. No verão, quando o equipamento é mais exigido, convém substituir o verde por objetos

 

DECK CONTÍNUO

 (Divulgação/Divulgação)

Pertinho da sala de estar, a varanda tem espaço suficiente para acomodar bancos, vasos e a caixa de madeira feita sob medida (Hydrotech) para ocultar um equipamento muito útil especialmente no verão. A designer de interiores Daniela Cianciaruso e o arquiteto Ricardo Caminada, sócios no escritório Díptico, adotaram o mesmo cumaru do deck, dando a sensação de continuidade. “Desse modo a peça não sobrecarrega a decoração”, explica Daniela. A condensadora do ar-condicionado está sob a caixa de madeira, que traz uma porta de acesso para facilitar a manutenção. Há 5 cm de respiro nas laterais e 2 cm entre as ripas visando permitir a ventilação.

 

DIVERSÃO TOTAL

 (Divulgação/Divulgação)

Os donos desse quarto não queriam abrir mão de armários, mas, ao mesmo tempo, desejavam assistir aos programas prediletos sem sair da cama. A solução encontrada pelas arquitetas Ana Cristina Tavares e Claudia Krakowiak Bitran, da KTA Arquitetura, com a ajuda técnica da empresa D’Ávila Projetos de Áudio e Vídeo, está no forro de gesso. “É uma ótima alternativa para espaços compactos. A instalação é simples, mas requer planejamento”, explica Ana Cristina. Para embutir a TV no forro foi preciso criar uma espécie de pequeno elevador. A tela de 42 polegadas exigiu um vão com cerca de 1,20 m de lado.

 (Divulgação/Divulgação)

 

EM MEIO AOS RECADOS

 (Divulgação/Divulgação)

De alvenaria estrutural, várias paredes do imóvel não poderiam passar por quebra-quebra. Imaginando disfarçar dois itens importantes usualmente instalados na entrada das residências, as arquitetas Daniele Okuhara e Beatriz Ottaiano, da doob arquitetura, inventaram um divertido painel forrado de laminado preto tipo lousa (Formica, ref. L121), onde os jovens moradores escrevem com giz. Executado pela Marcenaria Sasdelli, ele contém duas portinhas (33 x 33 cm e 16 x 33 cm) que abrem e fecham com um leve toque, dispensando puxadores. O quadro de luz e o interfone são facilmente acessíveis, mas não ficam à vista. Couberam em uma das poucas paredes de drywall, instalados em nichos revestidos internamente de MDF.

 (Divulgação/Divulgação)

METAL EM EVIDÊNCIA

 (Marco Antonio/Divulgação)

Sem barreiras entre sala de jantar e living, a cozinha gourmet se tornou o reduto predileto dos proprietários, amantes da boa culinária. Ao remover as paredes, os arquitetos Renata Cipriano e Marcus Paffi, da Cipriano Paffi, descobriram um inconveniente que poderia prejudicar o aspecto da ala social: a rede hidráulica do prédio. Entraram em cena os tubos de PVC pintados de tinta spray no tom cobre – um de 5 polegadas e os demais de 3 polegadas de diâmetro – que ainda trouxeram um clima industrial ao projeto. No centro dos tubos acobreados estão cada um dos quatro canos, sendo que o maior alimenta o reservatório do edifício, enquanto os demais conduzem as águas pluviais coletadas. O tom metálico harmoniza com as madeiras em volta

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s