Um jardim, muitas ideias

Neste refúgio, em plena capital paulista, o paisagismo soma o clima de quintal a soluções de lazer e descanso, além de vasos com temperos

O desejo dos moradores – um casal com filhos adolescentes – era transformar o jardim da casa em ponto de encontro, com espaços definidos para relaxar ao som do burburinho da água. Tocada pelo paisagista paulista Gilberto Elkis, a reforma começou pela área de 80 metros quadrados na entrada.

No jardim da entrada, o mix de folhagens como a costela-de-adão, o pandano e a cica cria um padrão com diferentes alturas e formatos compondo com os vasos de suculentas e a forração de grama-preta e seixo polido verde. Este ajuda na retenção da umidade e na drenagem do solo. (Divulgação/Renato Elkis)

“A modernidade do projeto está no jeito de explorar os diferentes elementos. A textura e o formato das folhagens, a combinação dos vasos de suculentas e a forração com seixos e grama tornam o conjunto dinâmico, dando o tom de boas-vindas”, afirma Gilberto.

Na outra extremidade da casa, a área externa é puro lazer. (Divulgação/Renato Elkis)

Já nos fundos da residência, mais surpresas surgem nos outros 190 metros quadrados de área externa, entre elas a piscina em formato de raia com uma prainha na extremidade para quem quer nadar ou apenas se refrescar.

A piscina de 3 x 10,20 m é revestida de placas de 10 x 10 cm de pedra hijau lisa e tem bordas de travertino (materiais fornecidos pela Palimanan). A parede (à dir.) conquistou um jardim vertical com espécies de folhagens resistentes a fim de não sujar a piscina. Entre elas, estão aspargo, renda-portuguesa, hera e ripsális. (Divulgação/Renato Elkis)

Os muros verdes junto ao tanque e na lateral do terraço com espelho-d’água confortam o olhar, convidado à contemplação. “A jabuticabeira original do terreno tornou-se o foco principal com a moldura de banco”, complementa. Uma floreira instalada perto do canto de refeições serviu de base para os vasos com temperos e ervas, oferecendo como brinde extra um permanente e suave aroma no ar.

Para criar um ponto de descanso, a jabuticabeira, única espécie remanescente no lote, foi cercada pelo banco de madeira (Hydrotech) e pela floreira de alvenaria coberta com a pedra tetris saara (Palimanan). (Divulgação/Renato Elkis)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s