Coração de mãe: cinco minicasas formam uma espécie de vila particular

Na Vila Pitanga, cabe todo mundo. Graças a um projeto bem bolado, Inês Monguilhott poderá morar junto dos filhos e ainda acomodar uma agregada e um futuro cuidador – tudo isso em cinco unidades de 22,60 m² cada uma

Numa caminhada pela Zona Oeste de São Paulo, a escritora Inês Monguilhott deparou com uma casa que lhe agradou. Tocou a campainha para saber quem era o arquiteto. “Pensei: o cabra que fez esse projeto tem competência”, recorda a pernambucana, gargalhando. “Acho que ela gostou dos materiais simples usados de um jeito criativo”, diz Fabio Marins, o autor do sobrado em questão. 

A implantação das casas acompanha o aclive do terreno, estratégia para cortar gastos com terraplanagem. (Foto: Cacá Bratke)

De fato, a habilidade do profissional na lida com recursos limitados foi decisiva para o sucesso deste miniempreendimento. “Inês havia encomendado estudos a outros arquitetos, mas um deles consumia toda a verba disponível só nas fundações”, recorda. Por isso, a primeira decisão de Fabio consistiu em mexer pouquíssimo no terreno, acomodando a construção ao longo do aclive.

Além de fazer sentido economicamente, essa forma de implantação casou com duas premissas da cliente: a vontade de erguer uma espécie de vila, com cinco minicasas e dois grandes espaços comunitários (cozinha gourmet e jardim), e a necessidade de concluir uma parte da obra rapidamente para já ocupá-la. 

Assim surgiu a estrutura modulada de alvenaria autoportante, com as cinco moradias independentes em linha. “Uma para mim, uma para o meu filho, uma para a Eliete, que está comigo há 38 anos, uma para um futuro cuidador, porque daqui a pouco eu vou estar comendo aveia, e finalmente uma para minha filha, se ela quiser”, enumera a bem-humorada Inês. As três primeiras se concluíram ao longo do ano passado. As duas últimas esperam a injeção de capital necessária para as etapas de serralheria e marcenaria. 

Os 22,60 m² concentram sala, copa, banheiro, área de serviço (no térreo) e quarto (no mezanino), de onde foi tirada esta foto. O pé-direito alto (5 m) e a farta luz natural evitam a sensação de confinamento. (Foto: Cacá Bratke)

E até para isso a estratégia do projeto colaborou: a dona resolveu alugar as três unidades prontas numa plataforma online de hospedagem para levantar os recursos que faltam. E, enquanto não junta todo mundo na Vila Pitanga, Inês banca a anfitriã com desenvoltura.

Confira todas as fotos do projeto na galeria a seguir.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s